O Coral dos Desafinados foi criado há três anos, em Belo Horizonte. Ele tem, como princípio, a inclusão de pessoas que nunca participaram de alguma formação musical, além de serem excluídas por não possuírem \'afinação\' padrão tonal. Acreditando que todo ser humano é um ser musical, a idealizadora e responsável Beatriz Myrrha resolveu contestar a ideia de que \'música é para poucos\' e convidou amigos, conhecidos e a comunidade em geral para formar este coral. Já foram várias apresentações abertas ao público: na Câmara Municipal; na Biblioteca Pública E. Minas Gerais; no Suricato, no projeto POEINT, no Barreiro, no Festival Internacional de Corais 2017, e 2018, nos Hospitais Galba Veloso e Raul Soares, no Centro Mineiro de Toxomania, na Savassi, na Igreja São José, no Colégio Logosófico,entre outros. A característica principal do coral não é a unificação das vozes, mas, ao contrário, a harmonia entre as diferenças de cada timbre, possibilidades e dificuldades individuais, que, somadas, proporcionam novos arranjos e leituras para canções populares.