Criado em 28 de abril de 2014 pelo promoter Marcos Aparecido Malaquias (Malaquias da Viola), grupo faz parte do Projeto Raiz Arte e Cultura sem Fronteiras-PRACSF de direitos privados, de caráter educacional, cultural e assistencial de estudo e pesquisa, sociedade civil, sem fins lucrativos, não partidário e filantrópico. Tem por fim: preservar, fomentar, difundir, a arte e a cultura popular, levar entretenimento e lazer em todo território nacional e internacional, manifestações culturais como cantigas de roda, contações de história, brincadeiras, causos caipiras, teatro e danças, tendo como frente a música. A MÚSICA: É um fenômeno universal que está presente na história de todos os povos e civilizações, desde os primórdios, faz parte do dia a dia das comunidades, festas e celebrações nas mais diversas formas e expressões. A ciência prova que até mesmo antes de nascer, ainda no ventre da mãe ou em qualquer idade humana a música nos faz bem. Usada nas danças, nos ritos, louvores, em elevados momentos de entusiasmo, no silêncio mais com o espirito regozijado, nos dá paz, faz de nós pessoas mais equilibradas e felizes. Na verdade, é praticamente impossível encontrar uma pessoa que não gosta de ouvir, dançar, e que ela não consiga tocar de alguma maneira em seu coração. Assim é patente em todas as esferas de nossa sociedade, que a musicalização desenvolve um papel primordial como forma de lazer, socialização, formação e na inserção das pessoas, pois ela cria e reforça laços sociais, vínculos afetivos, elevação da auto estima, e hoje comprovam que é uma grande aliada no tratamento de algumas doenças, mostrando-nos como é importante a música em nossa vida, por meio de repasses, troca de ideias, formações e conceitos, serve para o aprimoramento do aprendizado e de nossa formação social e cultural. Formado por mulheres de diversas idades, o Grupo Mulheres Cirandeiras de Minas, é composto por cantoras, amigas e voluntárias, que compartilham experiências e beneficiam até mesmo a saúde, sobretudo a sensação de bem-estar pessoal e social. Vem com o propósito de cantar, alegrar, exercitar a arte de cirandar, ao som da viola caipira, violão e percussão. Compartilhando momentos de lazer e alegria para todos os públicos. Quem nunca brincou de roda? Quem nunca cantou ou dançou ciranda? As apresentações acontecem nos espaços públicos e culturais de Belo Horizonte, Contagem e Região, nos sociais como asilos ou privados por meio de contratações para shows, festas regionais, culturais, nos municípios e capitais.